quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Metade



Que a força do medo que tenho
não me impeça de ver o que anseio
que a morte de tudo em que acredito
não me tape os ouvidos e a boca
porque metade de mim é o que eu grito
mas a outra metade é silêncio.
Que a música que ouço ao longe
seja linda ainda que tristeza
que a mulher que amo seja pra sempre amada
mesmo que distante
porque metade de mim é partida
mas a outra metade é saudade.
Que as palavras que falo
não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
apenas respeitadas como a única coisa
que resta a um homem inundado de sentimentos
porque metade de mim é o que ouço
mas a outra metade é o que calo.
E essa minha vontade de ir embora
se transforme na calma e paz que mereço
e que a tensão que me corrói por dentro
seja um dia recompensada
porque metade de mim é o que penso
mas a outra metade um vulcão.
Que o medo da solidão se afaste
e o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
que o espelho reflita meu rosto num doce sorriso
que me lembro ter dado na infância
porque metade de mim é a lembrança do que fui
a outra metade não sei.
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
pra me fazer aquietar o espírito
e que o seu silêncio me fale cada vez mais
porque metade de mim é abrigo
mas a outra metade é cansaço.
Que a arte me aponte uma resposta
mesmo que ela mesma não saiba
e que ninguém a tente complicar
porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
porque metade de mim é platéia
e a outra metade é canção.
Que a minha loucura seja perdoada
porque metade de mim é amor
e a outra metade também.

Oswaldo Montenegro

5 comentários:

Valéria disse...

ai que lindo isso!
eeee fiquei tão feliz por não me sentir única, porque as minahs duas metades também são de amor!

Amei!

Beijinho!

larissa disse...

E que nessas metades todas, sejamos inteiros, pois é geralmente na plenitude ( e isso não implica necessariamente felicidade, mas sim intensidade)que o valer da vida se manifesta.

André Auke disse...

como somos complexamante lindos e ao mesmo tempo simples, heheheheh.
Nada como a simplicidade do amor para clarear a complexidade da mente.
Otima musica, otima poesia, otima vida, hehehehhe

Algumas coisinhas da Jéssica disse...

LINDA!!!!!!!!!
Lendo, deu aquela alegria triste... Aquela coisa emocional que vem lá do fundinho do coração.(isso é coisa de escorpiana... fazer o quê?)
Gostei muito da frase: "porque metade de mim é a lembrança do que fui e a outra metade não sei". Logo de cara isso pode parecer assustador, mas por outro lado, representa uma liberdade de poder ser qualquer coisa, de descobrir, de criar.

Marcelo disse...

Será que eu só tenho duas metades? Ou com o amor eu me torno pleno e único? (Quebrei a poesia?? hehe)